Doenças da Coluna Vertebral


A dor na coluna é um sintoma referido por mais de 80% da população em algum momento da vida e é um dos motivos mais freqüentes que leva o paciente ao consultório do clínico geral, sendo superado apenas pela dor de cabeça. Além disso, é responsável por um terço das queixas reumatológicas.

O que são lombalgia e cervicalgia? O termo lombalgia é usado para definir a dor nas costas devido a um grande número de doenças. Da mesma maneira, cervicalgia aplica-se à dor na região do pescoço.

Quais são as causas para a dor na coluna vertebral? A dor nas costas pode ser devido a um grande número de fatores e doenças, pois praticamente todas as estruturas da coluna podem causar dor, como: discos, músculos, ligamentos, nervos e mesmo outras estruturas que não fazem parte da coluna.

Quais são os fatores de risco para a dor na coluna vertebral?

  • Obesidade;

  • Distúrbio mecânico/estrutural;

  • Tensão emocional: ansiedade, depressão;

  • Esforços excessivos;

  • Má postura;

  • Idade, sexo, raça;

  • Condições sócio econômicas;

  • Atividade profissional.

Quais são as doenças que podem causar dor na coluna vertebral?

  • Traumatismos: comum em tecidos moles (distensão muscular, tendão, ligamentos), fraturas e hérnias discais;

  • Malformações congênitas;

  • Mecânico-posturais: postura viciosa, obesidade, gravidez, encurtamento dos músculos posteriores das pernas;

  • Doenças de partes moles: fibromialgia, dor miofacial;

  • Degenerativas: artrose;

  • Inflamatória não-infecciosa: artrite reumatóide, artrite reumatóide juvenil, pelvespondilite anquilosante, artrite psoriática, Síndrome de Reiter e outras;

  • Infecciosa: tuberculose e outras bactérias;

  • Metabólica: osteoporose etc.;

  • Tumores: benignos e malignos;

  • Psicogênica: de ordem emocional.

Como a dor na coluna se manifesta?

A dor pode se manifestar de diferentes formas:

Localizada: dor sentida em um ponto ou uma área; Irradiada: dor na coluna acompanhada por dor em outra área. É uma dor sentida à distância. Quando a dor é intensa ou prolongada, a tensão muscular é elevada e pode influenciar o quadro. Na presença de dor, tensionamos os músculos da região como reflexo de proteção. Se contraídos por muito tempo, eles começam a doer, aumentando o mal estar.

Por isso, em muitos casos a dor não provém propriamente da disfunção, mas da tensão muscular. Muitas vezes não conseguimos dizer onde é que a dor se localiza exatamente e pode parecer que ela muda de lugar durante o dia ou de um dia para outro.

O que fazer? O mais importante quando temos dor na coluna é procurar um médico. É fundamental não se auto medicar, tomando cuidado com a opinião dos amigos, vizinhos ou familiares. Deve-se fazer repouso e procurar um médico para que ele possa fazer o diagnóstico o mais rápido possível e indicar o tratamento.

Quais são os exames para diagnosticar as doenças que acometem a coluna vertebral? Os exames laboratoriais podem ser importantes para a confirmação de doenças que acometem a coluna vertebral, mas variam conforme o caso. O mais importante é comparar o quadro clínico do paciente com achados radiológicos. Os exames não têm valor se não forem solicitados com critério. Alguns exames comumente solicitados:

  • RX SIMPLES: mostra as curvaturas da coluna, escorregamento de vértebras, artrose, fraturas, lesões infecciosas ou tumorais, doenças metabólicas etc.

  • TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA: excelente para avaliar anatomia óssea da coluna. Confirma diagnóstico de hérnia discal e alteração óssea.

  • RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: bom método utilizado sobretudo para avaliar as partes moles da coluna.

  • MIELOGRAFIA: consiste na injeção de contraste na coluna através de uma agulha, seguido de radiografias. Apesar de invasivo, é indicado em alguns casos.

  • ELETRONEUROMIOGRAFIA: avalia lesões dos nervos através de sua condução elétrica, sendo necessário apenas em alguns casos.

O mais importante nas doenças da coluna vertebral é o quadro clínico do paciente, na maioria dos casos não é necessário nenhum tipo de exame.

Como são tratadas as doenças da coluna vertebral? Para que seja realizado um tratamento eficaz é necessário um bom diagnóstico, pois há várias situações que podem levar a um mesmo quadro de dor. É importante lembrar que não há uma única forma de tratamento que será melhor para todos os tipos de dores na coluna. O controle da dor é uma parte importante.

Os medicamentos utilizados em geral incluem:

  • Analgésicos: diminuem a dor. Se usados de forma incorreta causam dependência, hábito ou abuso, tornando a resposta do medicamento ineficaz.

  • Anti-inflamatórios: bloqueiam a resposta inflamatória, diminuindo a dor causada pela inflamação; seu uso abusivo pode levar a problemas gástricos e renais.

  • Relaxantes musculares: bons para diminuir contraturas musculares que podem estar presentes nos quadros de dor.

  • Antidepressivos: indicados em alguns casos como analgésico e relaxante.

É importante saber que todos os medicamentos acima citados podem ter efeitos colaterais. Se ingeridos sem prescrição médica ou de forma incorreta podem prejudicar o corpo.

A cirurgia, quando corretamente indicada, é muito útil para o restabelecimento do paciente. A indicação para a cirurgia é realizada quando há uma alteração neurológica grave ou quando o paciente julga os sintomas insuportáveis apesar de um tratamento clínico bem realizado. A maioria das pessoas com dor na coluna não necessita de cirurgia.

Como é a reabilitação do paciente com doenças na coluna vertebral?

  • A reabilitação consiste em orientações posturais e realização de atividades cotidianas. As orientações posturais são formas corretas de realizar atividades e são importantes para todas as pessoas, principalmente para as que sentem dor nas costas. Se realizadas corretamente podem ser importantes formas de prevenção.

  • Trabalhando sentado: verificar se há recurso de ajuste de cadeira (encosto, base, altura). A mesa deve ficar na altura do cotovelo, não devendo ser muito baixa a ponto de curvar o corpo nem muito alta para que não levante muito os ombros. Não sente torto, procure se alinhar com o eixo da cadeira. Disponha os materiais que for utilizar na sua frente; evite torcer (rodar) o tronco ou virar muito o pescoço. Traga as tarefas para perto do corpo. Procure respeitar rigorosamente uma pausa (intervalo) a cada hora de trabalho, de preferência fazendo alguns alongamentos e relaxamentos da região mais tensa. Encoste bem na cadeira e leve-a junto da mesa para trabalhar.

  • Deitar e levantar-se da cama: deite de lado, apoie sobre o cotovelo e a mão, coloque as pernas para fora da cama e sente-se.

  • Dormir: de lado ou de barriga para cima. Não durma de bruços.

  • Abrir gavetas: ao se inclinar procure apoiar com uma das mãos no móvel e puxar com a outra.

  • Ao trabalhar na pia ou no tanque: use um avental para poder encostar a barriga. Além disso, procure colocar uma pequena caixa no chão para que possa apoiar um dos pés sobre ela.

  • Ao varrer ou passar rodo não incline o corpo para frente; aumente o comprimento do cabo.

  • Evite torções do tronco ou do pescoço: apanhar objetos atrás do corpo, segurar o telefone com os ombros.

  • Para levantar cargas pesadas do chão, separe as pernas, dobre os joelhos, segure o objeto o mais perto possível do corpo e depois levante. Antes de pegar um objeto pesado, respire fundo e prenda a respiração.

  • • Divida o peso em ambos os lados do corpo, isto é, carregue um peso de cada lado do corpo (sacolas, malas). Os braços devem estar esticados e bem perto do corpo.

  • • Para carregar uma criança pequena no colo, pegue-a com os dois braços, abrindo as perninhas e colocando-a sempre a cavalo. · Não carregue peso na cabeça.

  • Ao calçar sapatos, procure sentar ou ajoelhar ao invés de fletir o tronco.

  • Procure usar sapato com 1-2 cm de salto mas não exagere pois isto ocasiona dificuldades de posicionamento e dores lombares. Evite também sapatos pontudos.

  • Ao entrar e sair de veículos não torça as costas. Gire o quadril e as pernas para fora ao mesmo tempo.

  • Quando ficar em pé ou caminhar, procure ficar ereto e olhando para a linha do horizonte. Ande com a musculatura abdominal contraída. · Se tiver que esperar em pé, procure se encostar em algum lugar: parede, poste etc.

  • Fora do trabalho, em casa, evite fazer tarefas que apresentem o mesmo padrão de movimento daqueles feitos no trabalho. É importante fazer repouso: deite e levante as pernas dobradas e colocando almofadas embaixo delas.

  • Faça exercícios de aquecimento ou com movimentos contrários daqueles que realiza no trabalho como importante forma de prevenção.

  • Dedique um tempo durante a semana para a prática de exercícios físicos para não se tornar um sedentário. O melhor tipo é dentro da água: natação ou hidroginástica, mas procure orientação médica sobre qual atividade praticar. Dê preferência a alguma que goste.

Quem tem dor nas costas pode realizar exercícios físicos? É muito importante para quem apresenta um quadro de dor nas costas realizar alguma atividade física regularmente. O treinamento físico é uma excelente forma de tratamento. Além disso, se for feito com boa orientação, ensina o paciente quais as atividades e esportes pode realizar. A melhora depende muito da cooperação do paciente. Assim, as crises podem ser diminuídas, tornando-se cada vez mais leves. Geralmente os pacientes apresentam a musculatura das costas muito tensa e a do abdome flácida. Deve-se então alongar os músculos das costas e fortalecer os do abdome. A natação é uma atividade excelente, porém deve-se ter cuidados na escolha da modalidade a ser praticada.

Quais são os exercícios que podem ser realizados?

Abaixo estão alguns exercícios que podem ser realizados em casa após uma boa orientação:

  1. Deitar de costas, dobrar as pernas e apoiar os pés no chão. Puxar o ar pelo nariz enchendo a barriga e soltar pela boca.

  2. Deitar de costas, com as mãos apoiadas no chão ao lado do corpo. Dobrar as pernas e trazê-las para junto do corpo e depois voltar para a posição inicial.

  3. Deitar de costas com os joelhos dobrados e pés apoiados no chão. Apoiar as mãos sobre os joelhos. Puxar o ar pelo nariz e levantar a cabeça e os ombros, deslizando as mãos sobre os joelhos. Voltar as mão sobre os joelhos. Soltar o ar descendo o corpo.

  4. Deitar de costas com os joelhos dobrados e pés apoiados no chão. Apoiar a mão direita no joelho esquerdo. Puxar o ar pelo nariz e levantar o corpo nesta direção. Soltar o ar descendo o corpo. Repetir o movimento com o outro lado.

Quais são as recomendações finais? É sempre importante lembrar que a prevenção é o melhor remédio para qualquer doença, e nunca se esquecer que o diagnóstico precoce, o tratamento precoce e a atividade física são fatores que contribuem para a cura das doenças da coluna.

FONTE: http://goo.gl/N41eRk

1 visualização